Amanda

AMANDA (2015)

Perdas sempre nos impactam, sejam quais forem. Quando um familiar, emprego ou bens se vão, não ficamos satisfeitos, à primeira vista. Mas “Amanda”, a personagem título do espetáculo homônimo, tem um olhar afetuoso para os sentidos que estão se esvaindo de seu corpo. Audição, paladar, olfato, tato e visão vão deixando de existir em Amanda. O que lhe resta é a memória, é o que legitima sua existência/resistência diante de tudo.

Para a abertura do projeto “Criações de Bolso” do Sesc Palladium (Belo Horizonte), estreou no dia 31 de julho de 2015 o espetáculo “AMANDA”, fazendo curtíssima temporada e esgotando os ingressos para todas as sessões no Teatro de Bolso Júlio Mackenzie. Esta montagem marca uma abordagem especifica e inédita do texto homônimo de Jô Bilac, por Rita Clemente.

Em 2018, o solo é retomado no projeto Teatro Para Ver Além, contabilizando mais de 60 sessões realizadas na Clementtina até março de 2020 – e no segundo semestre do mesmo ano, adere a mais um novo formato (desta vez, virtual), sendo apresentado no Primeiro Festival de Teatro Online FELUMA e no projeto #EmCasaComSesc

FICHA TÉCNICA COMPLETA

TEXTO: JÔ BILAC
CONCEPÇÃO GERAL/DIREÇÃO E ATUAÇÃO: RITA CLEMENTE
CODIREÇÃO: DIOGO LIBERANO
PREPARAÇÃO CORPORAL: CRISTIANO REIS
TRILHA SONORA ORIGINAL: MARCIO MONTEIRO
CRIAÇÃO DE LUZ: LEONARDO PAVANELLO
ASSISTENCIA DE DIREÇÃO E DE LUZ: PAULO MAFFEI
DURAÇÃO: 50 Minutos
CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 14 anos